fbpx
a

Lorem ipsum dolor sit amet, conse ctetur adip elit, pellentesque turpis.

blog-scopphu

Scopphu

  /  Artigo   /  É um profissional que prefere trabalhar com autonomia mas a cultura da empresa não o permite?
É um profissional que prefere trabalhar com autonomia mas a cultura da empresa não o permite?

É um profissional que prefere trabalhar com autonomia mas a cultura da empresa não o permite?

Damos-lhe 3 razões que o vão ajudar a convencer os seus superiores de que autonomia também pode significar eficácia!

Nos dias que correm, as empresas que pretendem proliferar não podem ignorar as mudanças que têm vindo a ocorrer na sociedade e, por isso, tiveram de aprender a ser mais flexíveis, adaptar-se, tornar-se mais pró-ativas e estar dispostas a actualizar as suas estruturas e dinâmicas de trabalho, em tempo real.

Numa altura em que novas alternativas, ferramentas e opções, mas também desafios, problemas e ideias surgem diariamente, manter-se actualizado e ser rápido e eficaz é obrigatório para todos, em qualquer meio, mas principalmente no coração estratégico das empresas.

Assim, ser rápido e eficaz e construir uma mudança de mindset, que deve começar na seleção de novas pessoas, que acrescentem valor à cultura da empresa e sua missão é, então, falar de RH Ágil, uma versão humanizada da Metodologia Agile.

O que é a Metodologia Agile?

Esta metodologia nasceu no mundo do desenvolvimento de aplicações e ferramentas informáticas e adaptou-se até chegar, por exemplo, aos atuais softwares de gestão empresarial. Incluindo uma série de princípios que, no momento da sua criação, no início do século XXI, quebravam as regras então estabelecidas, os princípios Agile aceitam com naturalidade mudanças imprevistas, entendendo que a capacidade de adaptação, mais que a fidelidade a um plano pré-estabelecido, é sinónimo de solidez e de resistência.

A metodologia Agile também entende que o cliente final é muito mais importante que as ferramentas ou processos de trabalho. Em suma, assume que as pessoas estão acima de tudo e que são elas que devem apoiar toda a atividade, independentemente do produto ou serviço em questão.

 

Se este é um tema que gostaria de explorar, deixamos outras sugestões de leitura, criadas pela equipa Scopphu, como:

Mas de que forma esta metodologia está relacionada com a maior autonomia profissional?

Aplicada nos departamentos de gestão de Recursos Humanos, esta metodologia pretende que os processos e dinâmicas empresariais, sem desaparecerem, passem para segundo plano, sendo o verdadeiro papel principal atribuído às pessoas que fazem parte do grupo de trabalho, bem como, pela interação e colaboração entre todos.

Desta forma, estabelecer um canal muito próximo de colaboração e comunicação com a equipa, prestando atenção às suas opiniões sobre a organização interna da empresa, adoptando uma postura integrante e de melhoria contínua é a base desta metodologia. Ou seja, compreender que confiar e garantir a autonomia dos colaboradores pode, então, trazer mais mais valias a toda a organização.

Como posso, então, convencer os meus superiores de que uma maior autonomia pode significar uma maior eficácia?

1. Evolução

Esta metodologia defende que todos os elementos de uma equipa de trabalho devem ter diferentes caminhos potenciais para o seu desenvolvimento profissional e pessoal.

A possibilidade de melhorar, no entanto, não serve apenas como motivação, mas também contribui para nutrir uma ambição saudável.

Neste sentido, poder escolher entre diferentes alternativas para a aprendizagem contínua é essencial, não só para a evolução desejada mas para a qualidade do trabalho desenvolvido por cada colaborador e que permitirá à empresa entregar projetos com ainda mais qualidade.

 

2. Flexibilidade

Ter a capacidade de perceber um erro, ou que o caminho definido não será, afinal, o mais eficaz e/ou o que trará o resultado pretendido pelo cliente, é fundamental. No entanto, e para além da capacidade que deve existir para detectar possíveis falhas rapidamente, é necessário que, ao nível da gestão, haja confiança nos colaboradores para que as correções necessárias sejam feitas de forma breve e eficaz.

Dar maior autonomia aos colaboradores é, então, permitir que estes assumam papéis mais analíticos e estratégicos, conseguindo uma tomada de decisão mais rápida e alinhada a todo fluxo de trabalho.

 

3. Adaptação

A comunicação e a colaboração devem ser incentivadas o mais possível, tanto no espaço físico quanto nos ambientes virtuais. Dessa forma, a informação fluirá naturalmente e em tempo real, garantindo que todos sabem, a todo momento, qual é o estado real da empresa, quais são os seus objetivos e o que se vai modificando para os alcançar.

Conhecendo e fazendo parte da cultura da empresa onde está integrado, o colaborador pode adaptar métodos de trabalho e tomar decisões informadas e alinhadas com toda a equipa.

Um exemplo de sucesso: a utilização do método Agile no Banco ING

Em 2017, inspirado pelas “tribos” criadas pelo Google e Netflix, o Banco ING decidiu usar o método Agile na sua gestão de Recursos Humanos, dividindo a sua equipa em “squads” com o objectivo de aumentar a interação dos seus colaboradores. A ideia seria a de não trabalhar com uma estrutura fixa, mas sim fazer com que os seus funcionários se adaptassem às necessidades conforme elas aparecessem.

Com esta alteração metodológica, o Banco ING percebeu que mudar a cultura do negócio é tão importante quanto introduzir novos processos e, por isso, investiu na liderança para modelar o comportamento que esperava ver nos seus funcionários.

Segundo a empresa, o impacto de trabalhar com essas mudanças, ao longo de um período de 15 meses, foi muito claro: os colaboradores tornaram-se mais ágeis no lançamento de produtos, reduziram gargalos e conseguiram otimizar a experiência do cliente, enquanto se mantinham muito mais relacionados com a empresa.

 

Saiba mais sobre este estudo de caso.

Se acredita que a sua empresa também poderá melhorar através da metodologia Agile, inscreva-se (ou sugira a inscrição à sua chefia) na nossa formação, totalmente dedicada ao tema AGILE RH.

 

No entanto, não se esqueça que para esta metodologia resultar é necessário que façam parte da empresa os perfis certos e que princípios como flexibilidade, comunicação e colaboração sejam parte da cultura existente.

A aplicação de métodos ágeis poderá funcionar, também, como um poderoso mecanismo de atração de talento, mais um benefício para toda a empresa.

Assim e se por outro lado, acredita que o seu futuro pode passar por uma alteração de local de trabalho, descubra o nosso Programa Grow Up através da Agile Smart Interview, feita através de ferramentas ágeis e que facilita a colocação de candidatos nas suas futuras empresas.

 

Ficou com algumas questão? Contacte-nos!

Publicar um comentário

two − one =